Lot Number
185
language

1966 Mercedes-Benz 600 Sedan by Chapron

€300,000 - €400,000

Offered without reserve

RM | Sotheby's - THE SÁRAGGA COLLECTION 20 - 21 SEPTEMBER 2019 - Offered on Saturday


Chassis No.
100.012.12.000787

Documents: Portuguese Certificado de Matrícula

  • One-off coachbuilt example by Henri Chapron of Paris
  • Full glass roof unique to this example
  • Fascinating ownership history, delivered new to Nubar Gulbenkian
  • Residing in Portugal since 1972 with 30 years of single ownership

Amongst the 2,677 Mercedes-Benz 600s built, and being the 293rd built in 1966, this example stands proud as being truly unique, reputedly laying claim to the distinction of the most expensive road car built in 1966. It was built for an eccentric Armenian oil magnate named Nubar Gulbenkian (son of Calouste Gulbenkian), who initially approached Mercedes-Benz about building his 600 with a full glass roof. When Mercedes-Benz did not approve his outlandish request, Gulbenkian instead ordered a standard 600 limousine through a French dealer under a false name, taking matters into his own hands. Upon delivery, it was sent to Parisian coachbuilder Henri Chapron for modifications including the aforementioned glass roof. So that its owner could look at the stars, the rear seat was made to fold into a double bed.

Door panels are fitted with hand-held mirrors, and deflector frames of glass were designed with the sole purpose of regulating the flow of fresh air to create minimal turbulence. Special tobacco pipe holders are fitted, as well as a minibar between the seats. The owner kept tabs on his driver with both a speedometer and fuel gauge fitted to the rear compartment. And, atypical of 600s, there is no wood lining the interior; in its place, sumptuous leather throughout. This was a man obsessed with the details.

Upon Gulbenkian’s passing in 1972, he left the car in his will to the Portuguese gardener of his house in Cannes. After taking possession of the car, its new owner shipped it home to Portugal and left it in storage, and there it stayed for the next 30 years. Upon finally moving to its next custodian, the car allegedly needed only minimal servicing and a cleaning to bring it back to usable condition. Passing through the collection of José Mira, under whose ownership it was featured in a Petrolicious article, the car was only recently acquired by Mr Sáragga and remains in wonderful condition today.

Every Mercedes-Benz 600 is a special car, but this example is undoubtedly more special than most and warrants serious consideration from any Mercedes-Benz aficionado.

  • Exemplar único com carroçaria por Henri Chapron, de Paris
  • Tejadilho completo em vidro, único nesta unidade
  • História fascinante, tendo sido construído para Nubar Gulbenkian
  • Em Portugal desde 1972, com um único proprietário durante 30 anos
  • A Mercedes-Benz produziu 2677 unidades do 600. De entre todos, este, que foi o 293º. produzido em 1966, destaca-se por ser verdadeiramente único, podendo provavelmente reclamar a distinção de ser o automóvel de estrada mais caro do mundo naquele ano. Foi produzido para um excêntrico magnata do petróleo arménio, chamado Nubar Gulbenkian (filho de Calouste Gulbenkian), que inquiriu a Mercedes-Benz sobre a possibilidade de lhe fazerem um 600 com tejadilho inteiramente em vidro. Quando o construtor alemão recusou o seu pouco ortodoxo pedido, Gulbenkian encomendou um 600 limousine de série através de um concessionário francês, usando um nome falso, e resolvendo a questão à sua maneira. Após a entrega do 600, este foi enviado para a firma de carroçarias parisiense de Henry Chapron, onde foi modificado, com destaque para o acima mencionado tejadilho em vidro. Para que o seu proprietário pudesse olhar para as estrelas, o banco traseiro dobrava-se, transformando-se numa cama de casal.

    Os painéis das portas estão equipados com espelhos de mão e as armações com vidros defletores foram concebidas com o único propósito de regular o fluxo de ar fresco, reduzindo ao mínimo a turbulência. Há suportes especiais para cachimbo, bem como um frigorífico para bebidas entre os assentos. O proprietário controlava a atividade do seu motorista com um velocímetro e um medidor de combustível, instalados no compartimento traseiro. Não existem painéis de madeira, o que é pouco usual num 600, já que foram substituídos por couro sumptuoso. O seu proprietário era obcecado pelos detalhes.

    Após a sua morte, em 1972, Gulbenkian deixou o automóvel em testamento ao jardineiro português da sua casa em Cannes. Depois de ficar na posse do automóvel, enviou-o para a sua casa em Portugal, onde ficou guardado nos 30 anos seguintes. Quando finalmente foi transmitido ao seu novo guardião, precisava apenas de serviços mínimos de manutenção e limpeza para ficar em condições de ser utilizado. Durante a sua passagem pela coleção de José Mira, foi objeto de uma artigo no site “Petrolicious”. Recentemente adquirido pelo Sr. Sáragga, continua num espantoso estado de conservação.

    Todos os Mercedes-Benz 600 são especiais, mas este exemplar é, sem dúvida, mais especial do que a maioria. Justifica, por isso, especial consideração por parte dos verdadeiros apreciadores da marca.



    Suggested lots

    15 - 17 August 2019

    Monterey

    Monterey Conference Center, Monterey, California

    RM | SOTHEBY'S

    29 August - 1 September 2019

    Auburn Fall

    Auburn Auction Park, Auburn, Indiana

    RM | AUCTIONS